Notícias

CASAL faz proposta insignificante e ACT vai ser julgado pelo Tribunal

17/08/2016
Publicado em Notícias | Comentar

A CASAL, mais uma vez, não respeitou a categoria, em audiência realizada no Tribunal AUDIÊNCIA DISSÍDIO CASAL 15 AGOSTO 2015_WEBRegional do Trabalho – TRT, em nova tentativa de conciliação em ação do dissídio coletivo realizada no dia 15 de agosto, quando apresentou uma proposta insignificante de 3,09%, a incidir sobre todas as verbas salariais, com exceção do plano de saúde, sendo prontamente rejeitada pela categoria.

O processo agora seguirá para julgamento pelo Pleno do TRT/AL. A audiência foi conduzida pela vice-presidente do TRT/AL, desembargadora Eliane Arôxa, que determinou que o processo fosse distribuído para a escolha do relator e do revisor no prazo de seis e três dias, respectivamente. Em atendimento à proposta da desembargadora Eliane Arôxa, a categoria deliberou pela manutenção da suspensão da greve. Contudo, manterá estado de assembléia permanente com a possibilidade de retomar o movimento.

 

Apesar de ter recursos próprios e autonomia para negociar acordo coletivo de trabalho independentemente do Estado, a direção da empresa continua alegando que o processo de negociação da dívida do Estado com a União é outro fator que impede um percentual maior de reajuste e, em razão disso, a Companhia não pode realizar uma negociação distinta das que vêm sendo feitas com os demais servidores do Estado.

O sindicato ressaltou que, com base nos relatórios gerenciais da empresa constantes nos autos, os números com o pessoal estão bem abaixo do montante geral da arrecadação, ou seja, em torno de 25%. Lembrou ainda que a Companhia reajustou sua tarifa em 27% no ano de 2015 e em 16,5% em 2016, totalizando 47,95% de reajustes. Por conta disso, segundo o Sindicato, não se justifica uma proposta inferior ao postulado pelos trabalhadores.

Por fim, o Sindicato afirmou aceitar a proposta que consta no parecer do Ministério Público do Trabalho, que é de 10% de reajuste, com incidência sobre todas as cláusulas econômicas.

Os comentários estão encerrados.