Notícias

Sindicato não aceita reajuste abusivo de plano de saúde da CEAL, proposto pela UNIMED

26/06/2017
Publicado em Notícias | Comentar

O Sindicato participou, no dia 26 de junho, de mais uma reunião de negociação com a Aliança, visando o reajuste do plano de saúde dos/a trabalhadores/a da CEAL. Na reunião, onde participaram representantes do Sindicado, da CEAL e da Aliança, foi apresentada pela Aliança e UNIMED, uma proposta de 15,65%, que foi repudiada pelo Sindicato, pois se trata de um percentual totalmente fora da realidade da categoria.

Para justificar um valor de reajuste tão absurdo desse, a Aliança alega que há uma sinistralidade de 79,92% para a carteira, além da inflação do período. Apresentou ainda uma proposta de reajuste de 13% para o plano Uniodonto, sendo questionada pelo Sindicato e pela empresa a real veracidade destes percentuais, já que houve o ingresso de muitos jovens nos últimos concursos e um grande número de aposentadorias.

O Sindicato argumentou ainda que a Aliança tem prestado um serviço de péssima qualidade, sendo a responsável pelo corte dos planos de saúde de vários/a trabalhadores/a, por erros em sua gestão. Além disso, a própria UNIMED tem perdido qualidade no seu atendimento, seja com filas enormes em sua emergência, seja por dificuldades na obtenção de consultas e demais procedimentos médicos. A situação de atendimento precário no interior do Estado é ainda maior.

Se isso não bastasse, a UNIMED tem obtido seguidos reajustes todos acima da inflação nos últimos anos, o que torna ainda mais abusivo esse percentual proposto.

Haverá uma nova rodada de negociação no dia 28 de junho, quando será debatida a proposta de reajuste do plano de saúde apresentada pelo Sindicato em acordo com a CEAL, de 4,08%, pois esse foi o percentual de reajuste salarial da categoria no último acordo coletivo.

A expectativa é que a UNIMED esteja presente nesta reunião do dia 28/06, garantindo que as negociações possam avançar, respeitando um patamar de reajuste aceitável, pois os/a trabalhadores/a não irão aceitar imposição absurda e totalmente fora da realidade do país e da categoria.

Os comentários estão encerrados.