Urbanitários vão às ruas dizer não à privatização da água em Alagoas

O Sindicato dos Urbanitários realizou um ato público contra a privatização da água em Alagoas no dia 29 de setembro, quando centenas de pessoas seguiram do prédio sede da CASAL rumo à assembleia legislativa no centro da capital. O ato contou com a participação de trabalhadores/as da empresa, dos SAAE’s, de movimentos sociais, da CUT/AL, de partidos políticos e de três candidatos a prefeito de Maceió, Ricardo Barbosa – PT, Valéria Correia – PSOL e Lenilda Luna – UP. O leilão da água da região metropolitana de Maceió acontece na bolsa de valores de São Paulo, nesta quarta-feira dia 30 de setembro.

Após falas de protesto em frete a sede da CASAL, os/as trabalhadores/as saíram em caminhada com faixas, carro de som e uma privada inflável que ficou em frente da assembleia legislativa, como forma de mostrar que a água dos alagoanos está sendo perdida. Em média, 300 trabalhadores/as participaram do protesto.

Durante o protesto, a presidente do sindicato dos Urbanitários, Dafne Orion, disse já ter ficado comprovado que os maiores prejudicados com o leilão do órgão serão os moradores de comunidades carentes com, aproximadamente, mil habitantes.

“Toda nossa luta, nestes 4 anos, é para garantir que toda a população possa ter acesso à água. O sistema privado não pode ter controle de serviços sociais. Porque o sistema privado transforma tudo em mercadoria, e a água não pode ser direcionada a só quem pode pagar por ela”, disse a presidente dos Urbanitários, Dafne Orion.

Os municípios que serão atingidos inicialmente são: Maceió, Paripueira, Rio largo, Atalaia, Barra de São Miguel, Barra de Santo Antônio, Marechal Deodoro, Coqueiro Seco e Murici, atendidos diretamente pela Companhia de Saneamento.

“A principal motivação para o protesto é garantir que todos tenham acesso a água, para que a mesma não vire mercadoria, e o acesso a ela se limite a quem pode pagar”, garantiu a presidente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *